• #CinthiaNaCozinha | Receitas Doces e salgadas com passo a passo

    Para facilitar a busca de todos, resolvi fazer este post com todas as receitas que foram postadas aqui no Spicy Vanilla. São receitas doces, salgadas e deliciosas. Fotos do passo a passo para ajudar até quem não ainda não tem muita experiência na cozinha. Gire a barra de rolagem e...

    Leia mais...
  • 10 itens para não esquecer na hora de planejar o orçamento da sua viagem

    Pois é pessoal, aproveitei um dos meus 30 dias em Buenos Aires e gravei um vídeo reunindo dicas que muita gente me pede. Falei sobre os 10 itens que você não deve esquecer na hora de planejar o orçamento da sua viagem. No vídeo eu comentei um pouco sobre cada...

    Leia mais...
  • Vídeo | Dicas para fazer compras nos outlets dos Estados Unidos

    Por mais que eu fale de roteiros, passeios e comidinhas, o que mais me pedem são dicas de compras. Então separei umas horinhas desta última viagem para falar sobre os famosos outlets dos Estados Unidos e dar algumas dicas úteis. Há uns 15 anos visitei meu primeiro outlet nos Estados...

    Leia mais...
Postado por Cinthia Ferreira em 13-mar-2017

Chaplin’s World | Museu e mansão de Charlie Chaplin em Vevey na Suíça

Cultura, MInhas Viagens, museu, Suiça, Vevey

No segundo post sobre Vevey (veja todos os posts aqui), região Montreux Riviera na Suíça, vou contar sobre uma dos museus mais lindos que vimos, o Chaplin’s World. Um museu dedicado ao artista Charlie Chaplin construído na área da mansão em que ele viveu com sua família os últimos 25 anos de sua vida.

Veja aqui nosso roteiro pela Suiça aqui

Como fizemos toda nossa viagem pela Suíça com a Swiss Travel System, andamos de trem, ônibus e barco utilizando o mesmo passes. Saímos do nosso hotel em Vevey e pegamos ônibus até o ponto que fica bem na frente do museu. Super fácil de chegar tanto de transporte público quanto de carro.

Chegamos por volta das 10 da manhã e começamos nosso tour pelo enorme espaço onde viveu Chaplin. A área do Chaplin’s World é imensa e dividido em três áreas. A casa com 500 m2 hoje é o museu que conta sobre a vida pessoal e familiar do artista, o estúdio com 1350 m2 mostra mais sobre a carreira, os personagens de Chaplin e sobre a arte do cinema, o parque conta com 4 hectares de vegetação e uma vista deliciosa de Vevey e o restaurante que é um pedacinho delicioso para um almoço com a família.

O museu foi aberto ao público em 17 de abril de 2016 depois de longos anos de estudos, projetos e produção. O Chaplin’s World by Grévin leva o nome do famoso museu de cera de Paris www.grevin.com, que foi responsável por todas as figuras de cera apresentadas tanto nos estúdios como em sua casa. O personagem e seus amigos, familiares e admiradores estão presentes tanto na área dos estúdios como nos espaços da antiga mansão, deixando a história ainda mais realista.

O passeio começa pelos grandes estúdios onde parece que estamos em um parque temático de Hollywwod. Cenários realistas, cartazes e personagens espalhados por todos os cantos. Primeiro os visitantes assistem a um pequeno filme e depois embarcam para uma viagem ao passado da ator e cineasta Charlie Chaplin.

No meio da história quisemos entender o motivo de outros personagens estarem no meio do museu e ficamos sabendo que são personas que inspiraram Chaplin ou o tiveram como inspiração, como Michael Jackson.

Tudo é muito bem feito, lindo e agradável de se ver. Crianças e adultos ficam boquiabertos com a beleza do espaço.

Grandes telas de led relembram passagens importantes dos filmes enquanto figuras de cera remontam cenários de gravação que podem ser acessados pelos visitantes.

A figura de Chaplin aparece com o personagem o Vagabundo em vários de seus filmes. Além do artista, Claire Bloom, Paulette Goddard, Sophia Loren, diretores e cinegrafistas fazem parte das mais de 30 figuras de cera criadas por Grévin.

Na área do estúdio também podemos ver parte da edição, roteiro e os equipamentos utilizados na época. É possível tocar nas películas e matar a curiosidade vendo como parte daquilo funcionava. Parte do estúdio é composto pela Easy Street, um dos espaços mais explorados nos filmes. Além da rua há vários outros cenários conhecidos como a barbearia e a cadeia.

Tudo pode ser fotografado e os visitantes podem interagir com as cenas e tirar fotos como lembrança da visita.

Charlie Chaplin recebeu mais de 26 grandes prêmios durante a vida. Entre eles, um Leão de Ouro no Festival de Cinema de Veneza em 1972, três Oscars (sendo que em um deles teve recorde da mais longa ovação de pé durante uma cerimônia do Oscar (12 minutos), e uma estrela na calçada da fama em Hollywood. De acordo com o material do museu, Chaplin participou de 81 filmes, seis deles  selecionados para serem preservados no National Film Registry da Biblioteca do Congresso que ele escreveu, produziu e, na maioria das vezes, compôs as partituras originais do filme.

Os icônicos acessórios utilizados por ele também marcam presença no museu.

Depois dos estúdios é hora de conhecer a vida do artista fora das telas. A mansão (construída em 1840 pelo arquiteto Vevey-nascido Philippe Franel), antiga moradia da família é dedicada a história dele e seu dia a dia.  Um lugar encantador que foi inteiramente renovado e remontado para apresentar parte do que foi a vida deste completo artista.

Alguns cômodos são utilizados como galerias enquanto outros foram remontados com mobiliários e itens pessoais.

Na sala de jantar, os visitantes aprendem sobre a vida diária da família, era lá que Chaplin recebia seus convidados célebres.

Charlie Chaplin casou quatro vezes, mas foi o último e mais duradouro que está presente na casa. E é ao lado de sua esposa Oona O’Neill (1925-1991), filha do autor dramático e vencedor do Prêmio Nobel de Literatura, Eugene O’Neill que Charlie aparece representado nas fotos e nas estátuas de cera em sua sala. Os dois tiveram 8 filhos, 4 nos Estados Unidos e mais 4 já morando na Suíça.

Um fato contado por seu filho é que durante a infância ele levava os amiguinhos em casa aptos comentar que seu pai era Charlie Chaplin e as crianças acabavam se decepcionando em ver um senhor de cabelos brancos no lugar do “vagabundo” que elas conheciam dos filmes. Para nós também foi estranho ver as figuras de cera de Chaplin idoso. Incrível como um personagem pode ser marcante em nossas vidas.

Ao lado da galeria com imagens de amigos e pessoas que fizeram parte da vida de Chaplin está um banheiro com Einstein e suas fórmulas. O gênio era conhecido de Chaplin e ambos eram fãs um do outro. Outra figura célebre que fez parte da vida de Chaplin foi Winston Churchill.

Enfim, é o local perfeito para quem já conhece ou quem quer vivenciar um pouco mais da vida e obra de Chaplin.

No final do passeio a lojinha de souvenirs encanta os mais fãs. Artigos mais baratinhos como imãs e pequenos quadros ao lado de artigos de luxo para colecionadores. 

Depois da visita de mais ou menos 3 horas fomos convidados para almoçar no restaurante e café The Tramp, que faz parte do Chaplin’s World. O galpão é todo temático e lindo. O menu é baseado na culinária americana e a comida é uma delícia. Destaque para a sopinha do dia que foi a melhor entre as que comi na viagem inteira. os profiteroles também estavam ótimos. Aqui você pode consultar o menu completo.

Informações: Chaplin’s World – Route de Fenil 2 – 1804 Corsier-sur-Vevey Suisse Aberto Diariamente das 10:00 às 18:00 ( a bilheteria fecha às 17) Adulto (16 anos +): CHF 23,  Criança (de 6 a 15 anos): CHF 17, estudante ou sénior: CHF 21 e  gratuito para crianças menores de 6 anos

DESCONTOS:

50% de desconto : Quem estiver hospedado nos hotéis cadastrados da região de Montreux-Riviera pode solicitar gratuitamente o Montreux Riviera card que dá 50% de desconto neste e em vários outros museus e transporte grátis com transoprte público da região durante os dias em que estiver hospedado. Os nosso hotéis nos deram o cartão (Grand Hotel du Lac e Astra Hotel)

20% de desconto: para estiver usando o  Swiss Pass

Como chegar: De carro: acesso direto a partir da saída Vevey da auto-estrada A9 (cerca de 4 min) Distância de Genebra e Berna: 60 min Distância de Lausanne: 15 min Distância de Montreux: 10 min De avião: do aeroporto de Genebra, pegue o trem para a estação de Vevey (1 hora de viagem) Da estação Vevey: Ônibus 212, parada Chaplin (11 minutos)

E como Vevey foi a cidade escolhida por Chaplin, nada mais justo do que uma grande homenagem ao artista. Uma graciosa estátua de cobre se encontra na beira do lago, na frente do museu Allimentarium (Quai Perdonnet 25, 1800 Vevey, Suíça) e atrai fãs diariamente. O túmulo do artista também pode ser visitado no cemitério da cidade.

.

Mais posts sobre a Suiça

O Spicy Vanilla esteve no Chaplin’s World a convite de Montreux Riviera Turismo

Postado por Cinthia Ferreira em 04-ago-2015

Toronto | Visitando a Casa Loma

Canadá, Cultura, museu, Toronto, Turismo

casa Loma toronto

Mais 3 posts sobre Toronto (veja todos aqui), começando pela incrível Casa Loma, um pequeno castelo com vista para o centro de Toronto e com muita história para contar.

Inspirada em um castelo medieval, a antiga propriedade de Sir Henry Mill Pellatt custou na época (1911) cerca de 3,5 milhões de dólares e demorou 3 anos para ser construída. No wikipedia tem a versão traduzida da história da mansão e seus detalhes.

Cenários de histórias reais e cinematografia, a Casa Loma é um passeio imperdível para quem visita Toronto e quem conhecer uma das mansões mais conhecidas do Canadá.
Toronto Casa Loma

Chegamos a Casa Loma já com os tickets que nos deram e fomos lá para o andar de baixo buscar o mapa e o audio guia. Aliás, a Casa Loma é uma das atrações do Citypass Toronto (vende aqui), junto com o  Ripley’s Aquarium of Canadá, a CN Tower e mais duas atrações. Então, se você tiver tempo de ir nas outras, vale muito a pena comprar, pois as entradas saem quase pela metade do preço. Mas na casa também são vendidos na hora.

Depois subimos as escadas e fomos para o lado de fora ver a paisagem. O dia estava ficando com um céu mega azul e lindo e deu para ver a CN tower lá longe.

Dizem que no calor o jardim fica bem bonito, mas nós pegamos tudo sequinho e ainda com gelo no chão. Mesmo assim é lindo demais lá fora.

casa Loma

Voltamos para dentro da casa para ver todos (ou quase todos) os 98 cômodos.

casa-Loma_flag

De cara o hall já impressiona com um pé direito altíssimo e objetos históricos. Mas vamos que a casa é imensa e nosso tempo era curto.

casa-Loma_biblioteca

Do hall, seguimos para a biblioteca, que foi cenário de alguns filmes hollywoodianos. O piso, o marcenaria e o teto (com o brasão da família) são interessantíssimos.

casa Loma toronto vitrais esfufa

A estufa com a fonte e o teto com vitrais é a minha parte preferida da casa. Pisos e laterais de mármore em um espaço lindo com uma iluminação natural maravilhosa.

casa Loma toronto corredor

Acima o Peacock Alley que foi inspirado no castelo de Windsor, também já apareceu em vários filmes e séries.

casa-Loma-toronto_salas

As salas são inúmeras e impressionantes, sala de jantar, espaço para fumantes e sala de música. Tudo exagerado e interessante.

casa-Loma-toronto_suite

Os quartos também possuem decoração bem diferentes uns dos outros. Nem preciso dizer que fiquei encantada com a mesinha de chá de um dos quartos, né ?

Os cômodos com objetos e louças expostos são fechados com uma faixa para que ninguém se aproxime das peças.

casa Loma toronto Toilette

O enorme banheiro também era muito moderno para a época. Até o chuveiro foi criado para massagear o corpo. Bem parecido com as duchas modernas que temos agora, não é ?

casa-Loma-telhado

Depois de andar por todos os cômodos, começamos a subir os andares em busca da parte mais alta da casa.

Em um dos andares, que não chegou a ser utilizado como moradia, hoje abriga um mini museu. Demos uma olhadinha lá e subimos rumo a torre.

Dá para andar dentro do forro do telhado e até subir na torre para ver a vista lá de cima.

Esta parte tem pouquíssimas pessoas a ponto de acharmos que estávamos em algum lugar proibido, já que nesta hora eram só nós dois no meio das toras de madeira hahaha. Mas depois encontramos mais uns perdidos. Então, não deixe de subir no telhado que é bem legal.

casa-Loma-passagem_secreta

Depois de olhar a casa toda por dentro e subir até o forro, fomos lá para baixo andar no túnel gelado que nos leva a outras partes do castelo. Tava um frio danado neste dia e o túnel não acabava mais rs.

Em um dos corredores encontramos a mais conhecida passagem secreta (dizem que há várias pela casa) que sai dentro do antigo escritório do Sir Pellatt’s. A porta fica camuflada como se fosse uma parede.

No corredor também pudemos ver os inúmeros filmes de sucesso que usaram a casa como cenário. Claro que o marido achou o máximo estava na casa do Professor Xavier de X-men. hahaha. Sério, há vários e vários blockbusters gravados lá.

A piscina nunca chegou a ser construída, mas pelo que vimos ela seria inspirada nesta que visitamos na Califórnia e mostrei aqui.

casa-Loma_garagem

Andamos meio perdidos e olhando tudo. Tem um espaço enorme com a tal garagem que tem uns exemplares de carros antigos. Uma estufa com várias espécies e o enorme estábulo. 

casa-Loma-estabulo

Nós amamos a visita e achei que o passeio valeu muito a pena. Vale tanto para quem gosta de conhecer mais da história de uma cidade, como quem vai para visitar o cenário dos filmes. Para ver tudo direitinho reserve pelo menos umas 2 horinhas.

Na casa há lojinha de presentes, café e restaurante (tem menu aqui), mas não chegamos almoçar por lá não.

Nós fomos de taxi, mas há estacionamento disponível no local.

Informações:

Casa Loma –  Verifique mapa, horários e valores atualizados no site oficial.

A Casa Loma é uma das atrações do CityPASS Toronto e quem quiser visitar mais atrações o valor sai bem mais em conta com o passe.

O Spicy Vanilla esteve em Toronto e visitou a Casa Loma a convite de Toronto Tourism.

Postado por Cinthia Ferreira em 05-set-2014

Seattle | Uma volta pelo EMP Museum, museu da música da cultura pop e da ficção científica.

Cultura, MInhas Viagens, museu, Seattle, Turismo, Washington

emp_seattleConforme prometido, darei uma alternadas nas cidades (e países) para agregar gregos e troianos né ? Hoje não falarei de lago e nem de paisagens lindas. Falarei sobre um museu que nós amamos durante nossa rápida passagem por Seattle. Hoje é dia de rock baby!!! Vamos das uma voltinha pelo EMP Museum, museu da música da cultura pop e da ficção científica.

O EMP Museum nasceu com a ideia do co-fundador da Microsoft, Paul G. Allen. Um espaço dedicado é dedicado a explorar a criatividade e a inovação na música popular americana, do rock, jazz, soul, blues, hip-hop, punk e outros gêneros e cultura pop

Ganhamos o Citypass, então não tivemos fila para entrar, mas quem não tem o passe, pode comprar seu ingresso na bilheteria mesmo, o valor pode ser conferido na site do EMP.

emp_seattle_frankProjetado por  Frank O. Gehry, o museu tem  140.000 metros quadrados, várias salas e um auditório aberto com umas das maiores telas de LED do mundo. 

Se muita gente acha o prédio a coisa mais feia e estranha de todas, eu acho incrível. Cada ângulo da construção merece uma foto.

Aliás como podem ver em uma das fotos, o EMP fica no complexo Seattle Center, do ladinho da famosa Space Needle. Bom que em um mesmo local já conseguimos visitar várias atrações de uma só vez.

emp_seattle_guittarSe o prédio por fora já é uma atração, por dentro é ainda melhor. A maioria das salas é escura e tem iluminação direcionada. Já no centro do andar principal, uma torre de instrumentos musicais incrível. Só uma lente grande angular pode captar a obra na integra.

Salas com artefatos raros, lembranças de vida de de grande músicos, instrumentos, vídeos, vestimentas e troféus. Tudo é super interativo e com um público bem interessado passeando e escutando áudios explicativos espalhados nas exposições.

Acima do andar principal há uma ala onde os visitantes poderão ter contato direto com a música. Pequenos estúdios dedicados a instrumentos individuais, bandas, vocal, mixagem entre outras. Você entra no estúdio e tem cerca de 10 minutos por vez para “brincar” la dentro. Muito bacana. Mas uma das atrações mais procuradas era o On The Stage, uma experiência de palco onde os visitantes tem experiências de se apresentarem para o grande público com direito a fãs gritando e tudo. A molecada vai a loucura.

emp_seattle_nirvana_kurtAgora não tem como falar se Seattle, de música e não citar a banda Nirvana. E foi nesta exposição que eu gastei grande parte do meu tempo no museu. Emocionante ver de pertinho uma pouquinho da história que fez parte da minha adolescência. Eu era apaixonada pela banda.

Peças importantes de Kurt Cobain e da banda, estão exportas por lá. Guitarra, peças de roupas usadas em grandes clips, a primeira demo, fotos antigas e muita história da banda que começou nos bares de Seattle e tomou conta do mundo e marcou uma geração. Reparem na foto do bebê que acabou virando capa do álbum Nevermind. Demaaaaiss não rsrs.

Aliás, quem quiser poderá visitar o The Crocodile, antes Crocodile Cafe que até chegou a fechar e foi reaberto a pedido do público, local onde bandas como Nirvana, Pearl Jam, REM tocavam antes do sucesso mundial.

emp_seattle_nirvanaMas não é só o punk, o grunge e o rock que preencher as salar do EMP. A salas de instrumentos deixa os amantes da música bem doidinhos. Nas vitrines víamos jovens e senhores, cada um contemplando seus próprios ídolos.

emp_seattle_guitar-galeryO EMP também obriga exposições itinerantes e a atração da vez era Hendrix Hits London, com histórias, fotografias e instrumentos pessoais e trajes do ídolo. No site você terá mais detalhes da exposição.

emp_seattle_hendrixMas nem só de música vive o EMP. Os adoradores de filmes de fantasia e ficção científica ficarão bem felizes em ver de pertinho peças usadas nos grandes filmes e séries. Já imagino o “Sheldon” vibrando com objetos da exposição.

Entre as exposições estão: Can’t Look Away: The Lure of Horror Film, Icons of Science Fiction e Fantasy: Worlds of Myth and Magic. Por lá uma coleção de artefatos e objetos, incluindo obras de Isaac Asimov, Ursula Le Guin, HG Wells, George Lucas, Gene Rodenberry, James Cameron e Steven Spielberg entre outros.

emp_seattle_sci_fiQuem aí não se lembra do ursinho do filme A.I. Artificial Intelligence ?

 

E esta foi a nossa visita ao museu. Clique aqui para ler todos os posts sobre Seattle que forem entrando no ar. Clique aqui para ver nossas viagens pelos Estados Unidos.

Informações:

EMP Museum 325 Fifth Avenue NorthSeattle.

Os ingressos são vendidos na bilheteria do museu e o preço pode ser conferido diretamente no site. O EMP Museum está incluso no CityPass, assim como as grandes atrações de Seattle e pode ser comprado direto aqui no site deles. Se você pretende visitar estas atrações, o passe lhe fará economizar uma boa grana (47% a menos) e ainda dá desconto para outras atrações que não estão incluídas. Agora se o foco for apenas visitar o EMP, vale a pena deixar para comprar na bilheteria mesmo.

O Spicy Vanilla esteve em Seattle a convite de Visit Seattle e Red Lion.


12345