• #CinthiaNaCozinha | Receitas Doces e salgadas com passo a passo

    Para facilitar a busca de todos, resolvi fazer este post com todas as receitas que foram postadas aqui no Spicy Vanilla. São receitas doces, salgadas e deliciosas. Fotos do passo a passo para ajudar até quem não ainda não tem muita experiência na cozinha. Gire a barra de rolagem e...

    Leia mais...
  • 10 itens para não esquecer na hora de planejar o orçamento da sua viagem

    Pois é pessoal, aproveitei um dos meus 30 dias em Buenos Aires e gravei um vídeo reunindo dicas que muita gente me pede. Falei sobre os 10 itens que você não deve esquecer na hora de planejar o orçamento da sua viagem. No vídeo eu comentei um pouco sobre cada...

    Leia mais...
  • Vídeo | Dicas para fazer compras nos outlets dos Estados Unidos

    Por mais que eu fale de roteiros, passeios e comidinhas, o que mais me pedem são dicas de compras. Então separei umas horinhas desta última viagem para falar sobre os famosos outlets dos Estados Unidos e dar algumas dicas úteis. Há uns 15 anos visitei meu primeiro outlet nos Estados...

    Leia mais...
Postado por Cinthia Ferreira em 20-abr-2017

Dicas para viajar no inverno na Europa com malas de mão

Compras de Viagem, MInhas Viagens, Planejando sua Viagem, Videos

Há alguns anos eu escrevi este post aqui com dicas de itens perfeitos para montar sua mala de inverno. Mas hoje eu resolvi mostrar na prática como eu fiz para montar minha mala para passar um mês no inverno da Europa e ainda dividir a viagem e levar roupas suficientes para 12 dias de viagem usando apenas malas de mão.

Dicas de roupas térmicas, palmilhas de lã, botas e acessórios para não escorregar na neve, casacos perfeitos, melhores cachecóis e várias outras dicas e ideias de looks.

Afinal quem vai viajar de trem para várias cidades, com certeza será mais feliz com malas pequenas e fáceis de carregar.

Neste vídeo eu vou te mostrar as peças que eu levei para a Suíça, dicas de como combinar, como escolher cada peça e onde comprar. Aperte o play ou clique aqui.

Mais dicas…

Ouviram no video que o casaco de lã com plumas é a minha opção preferida para vagem. Levo um grandão na mão saindo do Brasil (ou se você vai comprar lá, que é normalmente o mais indicado, voltar com ele na mão).

Se você vai sem nenhum casaco e não sabe quando encontrará uma boa loja para comprar no destino. Sugiro que compre e mande entregar no seu hotel. Vai pagar mais barato e terá certeza de escolher um modelo do seu agrado e não o que estiver disponível na loja. Confira sempre o tamanho, tente fazer o pedido uns 15 dias antes e envie um email para o hotel avisando que a compra pode chegar antes de você.

Falei das luvas de lã e de flete, mas uma dica ótima é comprar HotHands (tem aqui), uns pacotinhos que você sacode logo que abre o pacotinho e ele mantém suas mãos quentes por mais de 8 horas. São ótimos na neve. Em um dia que ficamos andando na neve eu coloquei um em cada bota e meus pés ficaram super aquecidos.

Peso da bagagem…

Falei no vídeo que os principais trens da Europa ocidental não pesam bagagem e nem verificam nada, mas em outros países isso  pode ser diferente. Aqui eu fiz um post sobre trens no Canadá onde a pesagem é obrigatória e o peso não pode passar do limite.

E se você fará voos internos comprados separadamente dos seus tickets do Brasil, o limite de peso será outro, normalmente 23kg e em alguns caso qualquer bagagem será paga. Então viajar com malas mais enxutas já te ajudarão no voo também.

Agora saindo do Brasil você teria que despachar a mala de rodinha de qualquer forma. Como eu disse no video, o foco é andar com poucas malas no destino para facilitar a locomoção, e  não sair só com bagagem de mão do Brasil.

Posts e vídeo que eu mencionei…

Links de produtos que eu mencionei no vídeo...




Postado por Cinthia Ferreira em 13-abr-2017

Basel (Basileia) na Suiça | Hotéis, restaurantes, passeios e dicas da cidade

Basel, Europa, MInhas Viagens, Suiça, Videos

Hoje falaremos sobre Basel. Cidade Suíça que faz fronteira com a França e a Alemanha, é repleta de cultura por todos os lados, tem mais de 40 museus, obras arquitetônicas dos melhores arquitetos do mundo e abriga algumas das grandes indústrias farmacêuticas do mundo.

Mas antes de ler este post, aperte o play  (ou clique aqui) e assista ao vídeo que gravamos por lá mostrando os passeios que fizemos por lá, os restaurantes que comemos, tour pelo hotel e muito mais.

Veja todos os nossos videos da Suíça aqui. Aproveite e assine o canal para não perder os próximos. Ainda teremos vídeos de várias cidades na Suíça.

Como chegar e se locomover em Basel (Basileia)…

Basel faz fronteira com a França e com  Alemanha. Fica há 3 horas de trem de Paris ou de Frankfurt e apenas uma hora do aeroporto de Zurique.

Nós chegamos em Basel de trem depois de sair de Vevey (post aqui) com uma paradinha na capital, Bern.

Basel também fica perto da capital Bern e de Luzern, grandes points turísticos da Suíça.

Idioma falado em Basel…

Basel faz parte da Suíça Alemã e o idioma falado por lá é o alemão mas a maioria dos locais turístico também fala inglês.

A cultura local e a gastronomia, também lembra bem a Alemanha.

Estando na cidade, Basel tem um ótimo serviço de transporte com bondes elétricos que passam por todas as regiões. O centro é perfeito para caminhadas a pé e quem estiver de carro deve prestar atenção pois há várias ruas que não permitem passagem de veículos.

Como eu disse aqui no post do nosso hotel (aqui), as hospedagens comerciais de Basel fornecem o Mobility Ticket que dá direito a usar os bondes da cidade quantas vezes quiser durante a sua hospedagem. Notem que se você quiser ir até a Alemanha ou a França, deverá comprar outro ticket pois este só funciona em Basel.

Mas quem viaja com o Swiss Pass também tem direito a transporte em Basel, em todas as cidades da Suíça e entrada gratuita em dezenas de museus e até passeios de barco (compre seu Swiss Pass aqui).


Onde se hospedar em Basel…

A cidade tem vários hotéis espalhados pelas áreas centrais, na beira do rio Reno ou em regiões mais afastadas. O Hotel que nós ficamos foi o  East West Hotel que é super bem localizado, renovado em 2015 e tem um valor bacana. Veja o post sobre o hotel aqui.

Quem quiser um bom hotel de luxo a dica é o Grand Hotel Las Trois Rois, único 5 estrelas superior da cidade, ou ainda o Swissôtel Le Plaza Basel, um 4 estrelas superior.  Veja todos os hotéis de Basel aqui.

O que fazer em Basel…

Diferente da maioria das cidades da Suíça, Basel não tem uma paisagem alpina, nem um lago azul. Basel é uma cidade industrial cheia de história e arte. São mais de 40 museus, uma cidade velha totalmente preservada e um patrimônio arquitetônico invejável.

A cidade mescla prédios da época do descobrimento com obras modernas criadas pelos grandes arquitetos do mundo atual.

Quem ama história vai se apaixonar por Basel. Fazer um tour pela cidade velha é um passeio altamente recomendado para quem quer saber um pouco mais sobre a região. Afinal, uma cidade com mais de 2000 anos tem muito o que oferecer.

Basel foi residência de personalidades históricas como Erasmo de Roterdã, Nietzsche e Carl Jung. Sendo que Nietzsche e Jung foram professores na universidade de Basel.

A cidade antiga tem ruas lindas, vielinhas estreitas e prédios originais do século XV.

Seja nas ruas residenciais ou nas comerciais, como a pitoresca Spalenberg, a região é belíssima e merece dezenas de fotos.

DICA: Faça um dos tours guiados e depois saia sem rumo e descubra cada cantinho e detalhe das área. Uma manhã e uma tarde é o que eu recomendo para quem quer passear pela região. Faça uma para para o almoço e outra para uma casas de chá da região e deixe os museus para outro dia.

Alguns pontos imperdíveis da cidade…

Outra paradinha histórica imperdível é o Spalentor, antiga torre e portão da cidade erguido ao final do século XIV. Os detalhes são incríveis e ver aquilo tudo de pertinho é emocionante.

Outro ponto importante é a Ponte Mittlere Brücke, a mais antiga ponte sobre o Reno e atravessávamos o tempo todo pois era a ponte que separava o centro da cidade, do nosso hotel. Na foto de abertura deste post dá para ver bem os detalhes.

Gostando ou não de visitar igrejas, a catedral de Basel (Basler MÜNSTER), merece uma passadinha. Construída no estilo gótico entre 1019 e 1500, a igreja guarda o o túmulo de Erasmo de Roterdã entre outras relíquias.

No nosso vídeo acima a nossa guia apresenta algumas curiosidades do local.

Depois de visitar a igreja por dentro, vá para o pátio e tenha uma vista linda do Reno e do skyline da cidade.

Outro ponto que chamará a sua atenção é a Câmara Municipal (Rathaus), construída entre 1507 e 1513.

O grande prédio vermelho que fica na Marktplatz, tem tantos detalhes que é impossível reparar em tudo. Vale a pena entrar nas áreas internas para ver as esculturas e afrescos. Há tours na Rathaus para quem quiser saber mais sobre este prédio tão importante.

Na praça central e em toda região o comércio é bem ativo e centenas de lojas se espalham por lá. 

O primeiro museu que visitamos foi a Fondation Beyeler que está com uma exposição de Monet maravilhosa (acaba dia 28 de maio).

A arquitetura do arquiteto italiano Renzo Piano é perfeita. A luz que entra no museu nas paredes de vidro que dão vista para o jardim deixa a visita ainda mais agradável.

O museu tem um acervo permanente com obras de Monet, Rodin, Picasso, Dali, Giacometti e muitos outros. As galerias são agradáveis e a região do museu é linda.

Como eu disse no vídeo, há um transfer que leva os visitantes até o lado alemão para visitar o Vitra Museum. Confira os horários e preços no site oficial.

Outra obra e arte que não passa despercebida por quem visita a cidade é a Fonte de Tinguely (Tinguely-Brunnen), criada em 1977. Esculturas de ferro que se movimentam e representam personagens da cidade.

A fonte fica em frente ao teatro e ao museu. Uma dica é descer as escadas e ver o controle da fonte por dentro. Cada personagem tem seu próprio maquinário.

Aproveite para conhecer o restaurante Kunsthalle. Lindo, ponto de encontro de artistas do mundo todo e tem uma comida deliciosa.

Mas quem gostou da fonte, não pode deixar de visitar o Museum Tinguely e saber mais sobre o artista.

O moderno prédio foi projetado por Mario Botta (que assina várias obras em Basel), fica na beira do rio Reno e te um jardim belíssimo.

Lá dentro as pequenas e gigantescas obras de Tinguely. Esculturas cinéticas feitas com sucata e que podem ser acionadas pelos visitantes. É um museu ideal para quem tem filhos pequenos.

O museu também abriga obras itinerantes no ultimo andar e tem lojinha, restaurante e café.

Um dos museus que eu mais queria visitar não fica na Suiça, mas logo depois da fronteira, do lado Alemão.

Vitra Campus é um enorme espaço da empresa de móveis Vitra que conta com projetos de grandes nomes da arquitetura como Frank Gehry e Herzog & de Meuron.

Lá vimos o Vitra Design Museum, que tem exposições itinerantes (a “Hello Robot” vai até maio), a VitraHaus, uma das construções mais lindas que já vi na vida e palco do showroom da Vitra, o grande relógio e o Schaudepot, museu com móveis de design mais importantes do mundo.

O espaço é enorme e maravilhoso. Tem opção de visitas guiadas e se você quiser ver tudo com calma. Reserve umas 4 horas entre ida e volta para a Suiça.

Como chegar no Vitra Museum…

Pegamos o ônibus 55 (sentido Kandern) na Claraplatz, atravessamos a fronteira e em meia hora estávamos no museu. O Swiss Pass não funciona fora da Suiça, nem o passe local. Então compre seu ticket nas maquininhas que ficam do outro lado da rua, em frente ao ponto do ônibus. Pagamos 4,80 francos por pessoa.

Na volta, em frente ao museu Vitra, basta pegar o mesmo ônibus e pagar pelo ticket (em Euro) diretamente para o motorista. Acredito que na ida há possibilidade de comprar já o ticket de ida e volta, mas não fizemos isso.  No vídeo acima eu mostrei com fizemos para chegar até lá.

No verão há um caminho para atravessar a fronteira a pé onde você passará por várias obras de arte e atrações. No frio não tínhamos como fazer isso pois caminhar mais de 40 minutos com 6 graus no meio do mato não é tão agradável rs.

Vitra Design Museum – Charles-Eames-Str. 1 – 79576 – Weil am Rhein (veja os horários e o preço da entrada aqui)

Outros museus importantes em Basel e região…

Anatomisches Museum der Universität BaselKunstmuseum Basel, Augusta Raurica, AugstS AM Schweizerisches Architekturmuseum. Veja todos os outros aqui.

Quem quiser visitar museus com desconto, fazer tours e ter outros benefícios, o Basel Card pode ser uma boa opção. Saiba mais sobre o Basel Card aqui.

Agora quem já tem o Swiss Pass (compre seu passe aqui), além de ter transporte incluso na Suíça toda, pode entrar em vários museus de graça. Em Basel, estes abaixo são os museus gratuitos, outros  dão desconto de até 50%

Anatomisches Museum der Universität Basel, Antikenmuseum Basel und Sammlung Ludwig, Basler Papiermühle, Cartoonmuseum, Historisches Museum HMB Museum für Geschichte/Barfüsserkirche. Historisches Museum HMB Museum für Musik/im Lohnhof, Historisches Museum, HMB Museum für Wohnkultur/Haus zum Kirschgarten. Jüdisches Museum der Schweiz. Kunstmuseum, Museum der Kulturen, Museum für Gegenwartskunst, Museum kleines Klingental, Museum Tinguely, Naturhistorisches Museum, Pharmazie- Historisches Museum der Universität Basel, RappazMuseum,  Skulpturhalle, Spielzeug Welten Museum Basel, Stiftung Brasilea, Verkehrsdrehscheibe Schweiz und unser Weg zum Meer.

Onde comer em Basel…

Restaurantes não há o que reclamar, todos que conhecemos estavam maravilhosos desde o sanduíche de pretzel nas unidades do Sutter até os pratos mais requintados e deliciosas carnes suíças.

 O Kohlmanns foi dica de leitoras e além de lindo tem ótimos pratos suíços. Pedimos uma batata Rosti com raclatte que estava bem gostosa. O local é lindo.

Kunsthalle que fica ao lado do museu tem um menu refinado, ótimo atendimento e é reduto dos artistas que visitam a região, a confeitaria Schiesser descobrimos por acaso e além de ser a mais tradicional, tem o melhor Amaretti que comemos e doces deliciosos, o restaurante Schlusselzunft fica em um prédio histórico, tem comida excelente e é considerado um dos melhores da cidade.

noite em Basel

Dar um passeio pela cidade a noite também é uma delícia. A Suiça é um país super seguro então bons brasileiros que somos, temos que aproveitar esta tranquilidade para ver as luzes da cidades sem preocupação.

verão no rio Reno em Basel

Eventos em Basel…

A cidade recebe grandes eventos mundiais (como a Art Basel, feira de arte mais importante do mundo e a Baselworld, feira de jóias e relógios mais importante do mundo) e tem um dos verões mais animados da Suíça.

A parte do Rio Reno que passa no centro da cidade tem sua água tratada e apropriada para o banho, correnteza leve e vira uma grande piscina no verão. É tão comum ver os moradores irem nadar no rio durante o calor que uma empresa inventou uma bolsa flutuante onde a pessoa troca de roupa em um dos pontos do rio, coloca todos os seus pertences na bolsa e acaba usando-a como bóia seguindo o fluxo do rio. O mais engraçado que é costume local fazer isso na hora do almoço. Depois as pessoas se vestem e voltam para o trabalho. Achamos divertidíssimo.

Há também opções de passeios de barco no Rio Reno. Confira aqui pois alguns estão inclusos no Swiss Pass.

Um dos eventos que quase participamos foi o famoso Carnaval de Basel. Estivemos lá pouco tempo antes do carnaval e a cidade já estava cheia de decoração temática.

Os personagens do carnaval de Basel são bem conhecidos e nossa guia explicou um pouco sobre cada um no video acima.

Outros eventos conhecidíssimo na região são os mercados de Natal de Basel. Assim como em várias cidades da Alemanha, Basel tem o mercado de natal mais famoso da Suíça.

As praças Barfüsserplatz e Münsterplatz ficam decoradas e barracas de presentes e comidas atraem locais e viajantes do mundo todo.

Quantos dias em Basel…

Nós ficamos 3 dias na cidade mas confesso que foi bem corrido. Não conseguimos visitar todos os museus que queríamos e nem ir até o marco das fronteiras. Então se você gosta deste tipo de turismo cultural, sugiro pelo menos 4 noites na cidade. Quem quer apenas dar uma olhadinha no centro histórico e ver o geral da cultura local, duas noites é o suficiente.

Saiba mais sobre a cidade aqui no site oficial de Basel. Parte do site está em Português.

Veja mais fotos de Basel no instagram @spicyvanillanomundo e na hashtag #SpicyVanillaNaSuiça

Quem quiser ficar por dentro de tudo que for postado aqui poderá receber o conteúdo completo de cada post em seu email. Basta assinar a newsletter do blog aqui.

Mais posts sobre a Suíça

O Spicy Vanilla esteve em Basel a convite do turismo local




Postado por Cinthia Ferreira em 30-mar-2017

Gruyères de Trem | Um dia com queijos, chocolates e paisagens

Europa, Gruyere, MInhas Viagens, Suiça, Videos


Nó último post falei sobre a Fábrica de Chocolate Cailler (aqui), uma das mais conhecidas da Suiça. Hoje falarei mais sobre o passeio inteiro que fizemos neste dia e que inclui a cidade de Gruyères, produtora de um dos queijos mais conhecidos e deliciosos do mundo.

Juntar o passeio na Maison Cailler com Gruyères é o tour mais comum para quem visita o local pela primeira vez. Afinal uma cidade fica do ladinho da outra e em menos de 3 horas você consegue visitar a Fábrica de chocolate e ter o resto do dia livre para passear em Gruyére.

Fizemos um vídeo mostrando todos o nosso passeio. Aperte o play ou clique aqui para assistir.

Agora algumas dicas e detalhes dos passeios que fizemos por lá.

Como chegar…

O trajeto é conhecido por conta dos trens temáticos como o Train Du Chocolate (contei aqui e só funciona no verão) e o Le Train Du Fromage (trem do queijo – O trem antiguinho que aparece em nosso vídeo). Ambos passeios saem de Montreux e vão até a região de Gruyères em trens vintage e servem fondue e outras comidinhas durante o trajeto.

Mas nós escolhermos no tem panorâmico que estava incluso no nosso Swiss Pass (vende aqui) pois o foco era almoçar no restaurante Le Chalet de Gruyeres. Primeiro formo para fábrica de chocolate Cailler que fica algumas estação depois de Gruyére, voltamos para Gruyére e depois voltamos para Montreux.

Sempre usamos o aplicativo SBB Mobile, como mostrei no vídeo, já que ele mostra certinho qual trem pegar, os horários e as plataformas. É muito fácil de usar, mas ainda farei um vídeo explicando tudo. Mas enfim, há uma troca de trem na Estação de Montbovon e só. O passeio demora 1:45 de Montreux até Broc – Fabrique (estação da fábrica), volta mais uns 20 minutos até a estação de Gruyères e de Gruyères para voltar até Montreux mais 1:20. Então para fazer os dois passeios no mesmo dia eu sugiro sair umas 9 da manhã se for inverno, uma vez que as atrações fecham as 17h. O trajeto é lindo, as paisagens são maravilhosas e trem é ótimo para apreciar tudo. Todos os vagões são panorâmicos e a primeira classe tem serviço de bordo com comidinhas pagas a parte.

Quem estiver de carro também pode fazer o passeio de forma mais rápida. Não vai ter o charme do trem mas para quem já está com carro ou em família, é uma boa opção. Há estacionamento na frente da fábrica de chocolate, na frente da fábrica de queijo e lá no alta da cidadezinha em Gruyères.

Rail Europe - O melhor lugar para sua viagem de trem

Fondue, Raclette e creme de gruyère em Gruyères

Le Chalet de Gruyeres – Rue du Bourg 53, 1663 Gruyères, Suíça

Quando falamos para nossos amigos de Vevey que iríamos passar o dia em Gruyères, a dica foi unânime…comam um fondue no Le Chalet. Então, apaixonada por queijo que sou, lógico que nem pensei duas vezes.

O Le Chalet fica bem na entrada do portal do castelo e não tem como errar. Como não sabíamos que horas chegaríamos lá depois da visita à Cailler e por isso não fizemos reserva. Erro total pois ficamos mais de 40 minutos esperando mesa pois mesmo sendo umas 3 da tarde estava lotado.

O restaurante tem dois andares e mesas bem coladas uma nas outras. Diria até que é claustrofóbico ficar no meio daquele monte de gente com um monte de fumaça por tudo. Sorte que pegamos uma mas bem ao lado da janela (a foto de cima foi tirada de lá). Mas o sacrifício valeu a pena pois o fondue era es-pe-ta-cu-lar. Comemos vários outros na viagem mas aquele foi o melhor. Já a raclette preferimos a de Zermatt, mas estava boa.

Agora o tal creme de gruyere que vem com merengue, o creme e frutas vermelhas, não rolou. O marido disse que parecia suspiro com requeijão rs. Sério, não foi o nosso tipo de sobremesa pois mais que todos falavam que era incrível. Acabamos deixando tudo lá.

Além do Le Chalet, a cidade tem vários restaurantes e casa de doces.

Veja nosso Vídeo com o resumo da viagem –  1 mês em 3 minutos

O que fazer em Gruyères

O barato de Gruyères, além de comer..rs, é passear pela cidade. Área do castelo e ver as maravilhosas paisagens. Como vocês viram no vídeo, a cidade é linda e a vista dos alpes é maravilhosa. É uma delícia caminhar pelas ruazinhas e construções históricas.

Saindo da estação e depois de visitar a fábrica, você pode pegar o ônibus local que te leva lá na área do castelo ou ir caminhando (uns 20 minutos de subida). Nós subimos e descemos a pé. Se não fosse o frio teria sido ainda mais legal. rs. Quem está de carro pode subir e estacionar lá no alto.

La Maison Gruyère – Fábrica do queijo gruyére – La Maison du Gruyère, Place de la Gare 3, CH-1663 Pringy-Gruyères

Como vocês viram no vídeo, a La Maison Gruyére fica do outro lado da estação de trem Gruyères. Lá é possível ver a produção de queijo nos horários disponíveis, fazer a visita com audioguia e saber mais sobre a produção de queijo e sua história, almoçar no restaurante e comprar muitos queijos na loja local.

A entrada é gratuita para quem tem o Swiss Pass – O ticket custa 7 Francos para adulto (ou 16 francos em conjunto com a entrada do castelo), 6 Francos estudantes e seniors, 12 Francos por família com 2 adultos e duas crianças até 12 anos. Dá direito a um audioguia e uma embalagem com 3 tipos de Gruyère.  Confira aqui no site os horários de funcionamento e de produção do queijo de acordo com a época da sua visita.

HR Giger Museum  – Château St. Germain, 1663 –  Gruyères, Suíça

HR Giger ficou mundialmente conhecido com o seu personagem Alien. E como Gruyères era sua cidade do coração (ele nasceu em Chur), lá está o museu que concentra a maior quantidade de obras do artista assim como seu corpo, enterrado no cemitério lá próximos desde sua morte em 2014.

O museu fica no Château St. Germain, dentro das muralhas e conta com várias salas e andares dedicados a obra surrealista de Giger, assim como sua coleção particular com obra de outros artistas do mesmo estilo. Lá estão vários rascunhos da criação do Alien, esculturas usadas nos filmes entre vários outros personagens exóticos e eróticos. Há uma sala reservada para maiores de 18 anos com um acervo bem fetichista e “criativo” se é que podemos classificar assim.

As salas antigas são cheias de seus quadros e esculturas incríveis. Um mundo de fantasia repleto de peças para quem aprecia o estilo intenso do artista. No filme acima eu mostrei apenas a entrada, única parte que podia ser filmada. Mas há muito mais o que se ver por lá.

A entrada é gratuita para quem tem o Swiss Pass – Adultos sem o passe pagam 12,50 francos – confira no site os horários de acordo com a temporada de sua viagem.

Giger Bar – Rue du Château St. Germain 3, 1663 –  Gruyères, Suíça

Já o bar fica no prédio da frente e é aberto ao público. Eles só permitem fotos de quem está consumindo no local para não virar bagunça. Então indico mesmo que entrem e peçam alguma bebida pois a decoração do local é sensacional. As mesas, cadeiras, balcões e até o teto são esculturas perfeitas. A primeira unidade do Giger Bar fica em Chur, mas o de Gruyères é mais bonito.

Castelo de Gruyéres

O Castelo de Gruyéres é uma dos castelos medievais mais conhecidos da Suíça e a principal atração da cidade. Como disse no vídeo, estávamos no inverno e a visitação encerava as 17h. Então não conseguimos visitar desta vez pois tinha acabado de fechar.

O castelo foi aberto ao público em 1938 e abriga uma bela coleção de artes. Dizem que a visita ao castelo dura em média uma hora.

Mesmo que você, assim como nós, não consiga chegar a tempo no castelo, vale muito a pena vê-lo por fora e se apaixonar pela vista ao redor.

O Castelo de Gruyéres fica aberto todos os dias. Entre Novembro a março da 10 às 17 h e entre Abril e outubro, das 9 às 18h. A entrada é gratuita para quem tem o Swiss Pass

Outro museu interessante na cidade é o TIBET MUSEUM – Fondation Alain Bordier que não chegamos a conhecer mas dizem que tem um acervo interessantíssimo para quem aprecia este tipo de arte e cultura. Por lá estão expostas mais de 300 obras do do século VI ao século XVIII

A cidade ainda tem mais atrativos que mudam de acordo com a estação aqui no site oficial La Gruyère você poderá ficar por dentro do que acontece por lá e mais dicas de novas atrações na cidade. Assim como atrações na região.

Onde se hospedar em Gruyéres…

Nós estávamos hospedados em Vevey (aqui), então não conhecemos nenhum hotel em Gruyères, mas quem quiser pode ficar hospedado na própria vilinha medieval que mostramos no nosso vídeo. São hotéis em prédios de época para quem quer acordar já com a vista de Gruyére. Aqui tem as opção disponíveis por lá.

Quanto tempo ficar em Gruyère…

Nós ficamos umas 5 horas na cidade e além de ter sido corrido, não deu tempo de passear direito nem de visitar o castelo. Se fizesse novamente teria saído de Montreux umas 9, visitaria a Cailler e chegaria em Gruyére antes das 13h já com reserva para o almoço.

Como fomos no inverno e anoitecia cedo, antes das 18:30 já estávamos voltando para Montreux pois estava muito frio. Quem for no verão pode aproveitar até mais tarde.

Mas foi um passeio delicioso que indico a todos que amam queijos e chocolates e estiverem na região de Lausanne, Montreux, Vevey, Friboug e Bern. A cidade é um encanto. Já estou doida para voltar no verão.

.

Veja mais fotos de Vevey no instagram @spicyvanillanomundo e na hashtag #SpicyVanillaNaSuiça

Quem quiser ficar por dentro de tudo que for postado aqui poderá receber o conteúdo completo de cada post em seu email. Basta assinar a newsletter do blog aqui.

Mais posts sobre a Suíça

 O Spicy Vanilla viajou com o Swiss Pass First Class a convite de Swiss Travel System