• #CinthiaNaCozinha | Receitas Doces e salgadas com passo a passo

    Para facilitar a busca de todos, resolvi fazer este post com todas as receitas que foram postadas aqui no Spicy Vanilla. São receitas doces, salgadas e deliciosas. Fotos do passo a passo para ajudar até quem não ainda não tem muita experiência na cozinha. Gire a barra de rolagem e...

    Leia mais...
  • 10 itens para não esquecer na hora de planejar o orçamento da sua viagem

    Pois é pessoal, aproveitei um dos meus 30 dias em Buenos Aires e gravei um vídeo reunindo dicas que muita gente me pede. Falei sobre os 10 itens que você não deve esquecer na hora de planejar o orçamento da sua viagem. No vídeo eu comentei um pouco sobre cada...

    Leia mais...
  • Vídeo | Dicas para fazer compras nos outlets dos Estados Unidos

    Por mais que eu fale de roteiros, passeios e comidinhas, o que mais me pedem são dicas de compras. Então separei umas horinhas desta última viagem para falar sobre os famosos outlets dos Estados Unidos e dar algumas dicas úteis. Há uns 15 anos visitei meu primeiro outlet nos Estados...

    Leia mais...
Postado por Cinthia Ferreira em 26-abr-2016

The Neon Museum | Um pedacinho da história antiga de Las Vegas

Cultura, Las Vegas, MInhas Viagens, museu, Nevada, Visitando

neon-museum-las-vegas

No post de hoje eu mostro um pouquinho mais do The Neon Museum, o museu a céu aberto que abriga uma enorme coleção dos letreiros em Neon da antiga Las Vegas. Um passeio para quem gosta de história e design. Se você não viu os outros posts sobre Las Vegas, clique aqui.

neon-museum-la-concha

Decidimos ir até o The Neon Museum por volta das 10 da manhã.  Pegamos o carro e fomos até o museu que fica um pouco distante da The Strip, mais para a região central de Vegas. Tem estacionamento gratuito na frente, mas estava bem lotadinho e só conseguimos vaga pois um visitante estava saindo na hora.

O ideal é ir com o ticket comprado para não correr risco de não ter vaga em algum grupo ou de você ter que ficar muito tempo esperando pelo próximo tour. Dá para comprar o ticket no site ou comprar lá mesmo e voltar mais tarde. Quem quiser o tour noturno deve sim comprar antes pois são bem concorridos e chegam a esgotar alguns dias antes.

Mas vamos ao tour. O passeio, neste novo endereço que funciona desde 2012,  já se inicia dentro uma construção ícone, o La Concha Motel lobby que foi projetado pelo aclamado arquiteto Paul Revere Williams em 1961. Lá estão a bilheteria, lojinha e as salas administrativas.

Sobre La Concha…

“Este edifício em forma de concha distintivo foi projetado pelo aclamado arquiteto Paul Revere Williams. A curvilínea La Concha Motel lobby é um exemplo notável de design moderno Mid-Century caracterizada por formas e motivos atômicas e era espacial. Originalmente construído em 1961 em Las Vegas Boulevard South (ao lado do Riviera Hotel), o lobby La Concha foi salvo da demolição em 2005 e mudou-se em 2006 para a sua localização actual para servir como centro de visitantes do museu. As referências a muitos dos elementos de design de interiores originais do lobby foram incluídos na recém-remodelada instalação, com dois dos ícones originais do motel – o sinal de entrada em mosaico e uma seção da estrada principal – restaurada e iluminada como parte dos esforços de reabilitação do museu. Salas de administração, de ensino, pesquisa e eventos estão localizados dentro de uma nova área localizado atrás do lobby principal.”

neon-freemont

Mas antes de falar do tour, dou uma dica que pode ser interessante. Se você não conhece a história de Las Vegas ou está visitando pela primeira vez, a minha sugestão é que a sua visita ao The Neon Museum seja feita depois que você conhecer a Fremont Street (foto acima), a antiga rua principal de Las Vegas, onde tudo começou e que hoje foi modernizada e revitalizada.

O motivo desta sugestão é que depois que você conhecer os casinos mais antigos e ver sua localização e fachadas, será bem mais fácil de reconhecer os neons e entender as histórias que o guia contará.

neon-museum

O tour tem duração de uma hora, em média, e é feito com um guia que lidera grupos de umas 20 pessoas. Só é permitido uma câmera fotográfica por visitante e os visitantes devem ficar sempre juntos ao guia e jamais sair aleatório pela área.

A área da exposição é grande, ao ar livre com letreiros e neons espalhados nos dois lados das pequenas ruas que criaram para dar uma certa sequencia ao tour. O guia vai parando em cada área e explicando tudo que há ao redor. O tour é em inglês e bem complexo, então se você não entende nada da língua, só vale a pena se quiser ver muito os letreiros antigos.

neon-museum-imagens

Durante o tour o guia vai mostrando a evolução do design e da tecnologia da época. Comenta sobre os custos absurdos que os casinos tinham para criar grandes e iluminados letreiros e ganhar a briga de atenção entre um estabelecimento e outro. Cada hora maiores e mais imponentes.

Nós éramos os únicos gringos do grupo e o restante eram todos norte americanos, mais velhos e das mais variadas regiões. Era interessante ver como eles se interessavam pelas histórias e lembravam da época em que as grandes fachadas e letreiros ainda estavam em uso.

A antiga fachada do hotel Golden Nugget, do Lido, do Frontier, do Sahara e tantos outros locais que fizeram a história de Vegas.

neon-museum-letras-caixa

Além dos letreiros completos, há várias letras caixas e pedaços dos letreiros espalhados pelo tour. Detalhes que deixam qualquer designer bem doidinho. Eu acho tudo maravilhoso, mas claro, tem que gostar e dar valor para este tipo de objetos e informações para gostar do passeio.
neon-museum-frontierFalei que o tour noturno é ainda mais concorrido mas não pensem que todos estes letreiros acenderão como era no passado. Infelizmente a maioria deles não tem nem como ter esta parte elétrica restaurada pois além de ter um custo altíssimo, não teria como fazer os neons queinados voltarem a funcionar. 
Dizem que o tour é com iluminação externa na “trilha” e com isso os letreiros ficam interessantes. Mas como não fizemos o tour noturno, não sei como opinar. 
neon-museum-displays

Como eu disse acima, o passeio é bem legal para quem gosta da história de Vegas, gosta de design ou arquitetura.

The Neon Museum – 770 Las Vegas Boulevard North – Las Vegas, NV 89101

O Spicy Vanilla fez o passeio a convite do The Neon Museum

Posts que você poderá se interessar.




Postado por Cinthia Ferreira em 13-abr-2016

Novo instagram com dicas de viagem

MInhas Viagens, Visitando

spicyvanillanomundoEba ! Finalmente eu criei a conta do instagram com dicas de viagem que vocês tanto pediram, o @SpicyVanillaNoMundo.

Vocês sabem que sempre usei a minha conta principal @makeupatelier para falar do conteúdo dos dois blogs, este aqui, que falo de turismo e gastronomia e o Makeup Atelier, com assuntos de moda, beleza e assuntos femininos. Mas muita gente pedia um insta exclusivo aqui do Spicy Vanilla, só com dicas de comidinhas e viagens.

E foi só o instagram dar a opção de alternar entre uma conta e outra que resolvi ter este novo canal de comunicação com vocês e poder postar muitas dicas diárias. Como o nome Spicy Vanilla já pertencia a outra pessoa, acabei criando o @SpicyVanillaNoMundo, já as dicas serão de várias partes do mundo que eu tenho o prazer de conhecer a cada nova viagem.

instagram-blog-spicyvanillanomundo

O @SpicyVanillaNoMundo não é apenas uma conta para postar fotos bacanas e inspiradoras, mas sim, postar imagens com dicas de cada local. Dicas que nem sempre consigo postar aqui no blog e coisinhas que eu descubro de cada lugar.

As fotos são aleatórias para agradar a todos. Na mesma semana você poderá encontrar dicas do Canadá, do Brasil, dos Estados Unidos, da Europa e assim por diante.

Todas as fotos postadas são autorais. Eu eu ou marido fotografamos ou a Lu Flor, colunista aqui do blog que acaba compartilhando dicas por lá também.

_ig-spicyvanillanomundo

Então espero mesmo que gostem desta novidade e que me sigam por lá. Prometo novidades todos os dias e claro, uma cobertura intensiva durante as minhas viagens.

Encontro vocês no @SpicyVanillaNoMundo




Postado por Cinthia Ferreira em 05-abr-2016

Giverny e os Jardins de Monet | Quando ir e como chegar

Cultura, França, MInhas Viagens, museu, Paris, parques

giverny-jardins-de-monet

A primavera chegou na França e começou mais uma temporada de visitação a Giverny e os Jardins de Monet. Um dos lugares mais lindos que já visitamos e que eu indico a todos que apreciam as obras de Claude Monet, flores ou paisagens belíssimas.

Vou contar como fizemos para chegar até a cidade de Giverny que fica 78km de Paris, como foi nosso passeio e algumas dicas importante para quem quiser visitar a fundação por conta própria.

giverny-onibus

Para ir até Giverny você pode optar pelo trem, ônibus de turismo, excursão particular ou claro, com um carro alugado. Nós resolvemos ir de trem bem cedinho, para chegar no primeiro horário (o jardim abre as 9:30).

Um dia antes nós compramos o ticket do trem pela web (aqui no site da SNCF) para ganhar tempo. O trajeto para quem está em Paris é sair da estação Paris-Gare Saint Lazare para gare De Vernon (onde você terá que descer). Os valores da passagem mudam de acordo com o horário escolhido. Nós partimos no trem das as 8:20 para chegar lá bem cedinho, mas há outros horários. Pagamos 30 euros na passagem de ida e volta por pessoa.

Então para chegar até a estação de trem Saint Lazare em Paris, tivemos que pegar o metrô na frente do nosso hotel (mostrei o hotel aqui). Vale lembrar que você tem que sair da estação de metrô Saint Lazare e andar um bom pedaço dentro da estação mesmo até a parte da estação de trem com o mesmo nome. Saia do hotel com tempo de sobra para dar tempo de se localizar dentro da estação e não correr o risco de perder o trem, que parte no horário exato, as estações de Paris são gigantes e as vezes bem confusas.

Depois de 45 minutos de trem  chegamos a Vernon, cidade que fica 7km de Giverny. Logo saindo da estação você pode acompanhar o fluxo de pessoas ou os adesivos no chão que te levam até o lado de fora onde estão estacionados o VERNON – GIVERNY SHUTTLE, ônibus que te levam até Giverny (horários na foto acima). A tarifa é de 8 euros ida e volta e você paga direto para o motorista. Quem não quiser pegar este ônibus pode optar por alugar uma bike (na frente da estação), ir de taxi (só vimos 1).

Chegando um Giverny o ônibus irá parar em um estacionamento e os visitantes precisam andar mais uns 10 minutos até chegar na Fundação Monet. Tem que atravessar uma avenida por uma passagem subterrânea e andar pelas ruazinhas sinalizadas.

giverny-jardins-de-monet-mapa

Imagino que todos que saiam do ônibus estão indo para a Casa de Monet, então é só seguir o fluxo e claro, olhar também as plaquinhas. As ruazinhas são lindas e o passeio é delicioso.

Chegando lá é só ficar na fila para comprar o ticket e entrar no local. Quem quiser pode evitar a fila, ganhar tempo e comprar o ticket pela internet aqui no site oficial mas nós optamos por comprar direto no guichê mesmo e esperamos nos máximo 5 minutos pois como eu disse, a fundação tinha acabado de abrir.

giverny-jardins-ninfeias

Entrando no museu fomos direto para a parte mais concorrida da fundação, a ponde Japonesa sobre a Lagoa das Ninféias que fica bem ao fundo (olhem o mapinha que coloquei acima), depois dos jardins de flores. Mas como os grupos entram por lá, já haviam dezenas de turistas e suas câmeras por todos os cantinhos disponíveis rs.

A chance de conseguir uma boa foto sem ninguém na ponte é quase remota, mas ficamos bons minutos por lá até esvaziar um pouco. Como chegamos lá logo que a fundação  abriu, o tumulto não era tanto, mas foi aumentando com o passar do tempo.

O importante é que o lugar é maravilhoso e cada pedacinho do jardim lembra uma obra incrível de Monet. Parece que estamos olhando para uma das telas.

giverny-jardins-de-monet-flores

Depois voltamos para os jardins da frente. Cada jardim tem sua particularidade e flores maravilhosas que eu nunca tinha visto antes. O próprio Monet dizia que ele virou pintor por conta da beleza das flores e ele dizia que se achava melhor jardineiro do que pintor.

Durante os anos que viveu em Giverny cultivou com todo carinho do mundo espécies variadas e dedicava grande parte do seu tempo cuidando de seus jardins.

giverny-jardins-de-monet-detalhes

Hoje em dia tudo continua lindo e perfeito e o cuidado com cada cantinho é visível. Nós estivemos no final do verão e não vejo a hora de voltar no meio da primavera, que é a época que os jardins ficam ainda mais encantadores.

casa-de-monet

Depois de olhar com calma todos os jardins, entramos na fila para conhecer a casa por dentro. Ficamos em média 30 minutos até conseguir entrar.

Mas mesmo pensando em desistir (alguns desistem), não façam isso pois a casa é linda e merece muito a visita. Foi nesta casa que Monet viveu grande parte da sua vida. Esteve por lá de 1883 até sua morte em 1936.

giverny-casa-monet

Apesar do aviso de não fotografar, estavam permitindo fotos e todos estavam fotografando lá dentro.

A mesma beleza e cuidado do lado externo pode ser observado do lado de dentro da casa. Cada cômodo mais lindinho do que o outro. O destaque fica para a sala onde Monet expunha seus quadros, que foram substituídos por réplica, enquanto os originais se encontram espalhados nos museus do mundo todo.

No final da casa há uma gigantesca lojas de presentes, com réplicas de quadros, lenços, enfeites e lembrancinhas para todos os gostos e todos os bolsos.

Ficamos em média duas horas e meia lá dentro da fundação e saímos para dar uma voltinha em Giverny.

giverny-monet

Infelizmente quando programamos nosso passeio, eu não tínhamos ideia do quão linda era a cidade e as ruazinhas em volta da Casa de Monet. Se soubéssemos com certeza teríamos programado direitinho para almoçar por lá e passas pelos menos umas 5 horas na cidade olhando tudo com calma.

giverny

Além dos jardins de Monet, há vários outros jardins abertos ao público, na Rue Claude Monet e seus arredores. Jardins muito bem cuidados, museus e um clima delicioso para caminhar.

rue-claude-monet

Fiquei encantada mesmo com as pequenas vielas e as construções. Cada casa tão lindinha que eu não queria mais ir embora dali. Mesmo com turistas indo e vindo, o clima é calmo, agradável e nem parece que estávamos tão perto de Paris. A Normandia é realmente um lugar encantado.

giverny-onde-comer

Há vários cafés, restaurantes e lojinhas de artesanato espalhados por lá. Claro que a maioria, senão todos, os restaurantes são caros e feitos para turistas, mas confesso que é um mais charmoso que o outro.

Somos nós já tínhamos compromisso em Paris, não pensamos em almoçar por lá. Mas depois que nos demos conta que perdemos nosso ônibus e teríamos que esperar mais duas horas por lá, paramos para um lanchinho e uma sobremesa no restaurante que fica ao lado do centro de informações e mesmo sendo apenas um lanche, estava bem gostosinho.

Depois pegamos o ônibus, o trem até Paris e continuamos nossos compromissos do dia mas já morrendo de vontade de voltar para Paris na primavera e ver os jardins de novo.

Dicas:

Compre o bilhete do trem ida e volta para Vernon já pensando no tempo que você irá passar por lá ou deixe para comprar a volta no guichê. Se quiser só ir até a fundação Monet o passeio será mais rápido, mas se quiser conhecer mais a cidade, parar para almoçar, não pegue um trem tão cedo.

Olhem bem o horário do ônibus que irá casar com o horário do retorno do seu trem para Paris. Nós perdemos o nosso por conta de 5 minutos de atraso (olhamos errado) e acabamos perdendo também o trem pois o próximo ônibus de Giverny para Vernon sairia somente depois de 2 horas e em Giverny. Tentamos achar um taxi em Giverny mas não tinha. Eles só vem quando alguém liga para chamar e demorar uns 15 minutos para chegar.

Então assim que chegar a Giverny tire uma foto da placa com o horário do seu ônibus transfer (que casa com o horário do trem para Paris) e calcule pelo menos 15 minutos de caminhada da saída da rua principal até o ponto de parada do ônibus.

Guarde os tickets do ônibus, do trem e do metrô até o fim da viagem. Não há catracas no trem, mas sempre há guardinhas conferindo aleatoriamente se as pessoas estão com suas passagens. Quem não estiver tomará uma bela multa.

Valores para ir até Giverny por conta. Metro até a estação de trem em Paris (já tínhamos o ticket semanal para andar em Paris) + trem de Paris até Giverny | ida e volta 29,40 euros + Onibus Vernon Giverny ida e volta 8 euros + ticket da Fundação Monet 9,50 euros. Total por pessoa 46,90 euros.

marmottan-monet

Agora se assim como eu, você também ama as obras de Monet, aproveite para visitar dois museus imperdíveis com obras do mestre.

Museu Marmottan Monet, com um andar inteiro no subsolo, dedicado ao artistas e obras maravilhosas (meu preferido mas não pode fotografar nada então não teremos post) e o Musée de l’Orangerie, onde está a maravilhosa e enorme obra, Les Nymphéas. Aqui no site do museu dá até para fazer uma visita virtual.

Informações:

The Claude Monet Foundation – 84 rue Claude Monet – 27620 – Giverny

A temporada vai de 25 de março até 1 de Novembro de 2016 da  9.30 até as 18h, sendo que as 17:30 as portas de entrada se fecham. Consulte um aplicativo do tempo antes para escolher um dia sem chuva e com tempo aberto.